Ir para o conteúdo

Prefeitura de Botucatu - SP e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura de Botucatu - SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Youtube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
NOV
01
01 NOV 2023
SAÚDE
1073 visualizações
Índice de infestação do mosquito Aedes aegypti mantém o Município em alerta
enviar para um amigo
receba notícias
Recipientes que acumulam água parada, somados ao calor intenso e chuvas frequentes, tem mantido um índice de infestação de mosquitos capaz de sustentar a transmissão da dengue.

No mês de outubro foi realizado o Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), onde foram trabalhados 2400 imóveis, destes 31 com larvas do mosquito Aedes aegypti, ou seja, um Índice Predial (IP) de 1,3%.

De acordo com a classificação de infestação preconizada pela Organização Mundial da Saúde, o IP inferior a 1% é satisfatório, de 1 a 3,9% é sinal de alerta e acima de 4% risco de transmissão. O mês de outubro foi atípico, pois tivemos a confirmação de 28 casos de dengue, terceiro mês, até então, com maior transmissão, ficando atrás apenas de maio com 56 e abril com 54. Em 2023 foram confirmados 247 casos da doença.

A Vigilância Ambiental em Saúde segue realizando as ações para diminuir a população de mosquitos e frear a circulação do vírus da dengue, mas para vencermos essa batalha, a ajuda da população é fundamental.

“A população deve continuar atenta adotando os cuidados necessários para eliminar as condições favoráveis à proliferação de mosquitos através da manutenção adequada de todo e qualquer recipiente com ou em condições de acumular água parada”, reforçou Valdinei Moraes Campanucci da Silva, supervisor de Vigilância Ambiental em Saúde.

“É importante receber a visita dos agentes de combate às endemias, pois são profissionais capacitados para identificar situações de risco e intervir oportunamente para evitar agravos à saúde pública”, concluiu Valdinei.

 

Saiba como proteger sua casa e evitar a dengue:
 
Banheiros:
Vaso Sanitário: Manter tampado. Na falta de tampa, usar um saco de lixo, prendendo-o com fita adesiva, se estiver sem uso.
Ralos: Verificar os ralos, no Box, chão e sob o lavatório. Mantê-los tampados se estiver sem uso. Utilizar plástico, caso não sejam do tipo abre-fecha para evitar a criação de mosquitos.
Caixas de descarga: Verificar as caixas de descarga, tendo cuidado especial com a tampa. Em caso de falta da tampa, vedar com plástico e fita adesiva.
 
Área de Serviço:
Tanque: Verificar a ocorrência de vazamentos que possam acumular água. Eliminar o vazamento e manter o ralo tampado com tampa própria se estiver sem uso.
Outros tipos de recipientes: Verificar a presença de baldes, latas, potes. Mantê-los secos e emborcados para não acumularem água da chuva. Caso sejam inservíveis, colocá-los para a coleta pública.
Pia: Verificar se tem vazamentos que possam acumular água no interior da pia ou sobre a pedra. Eliminar o vazamento e manter o ralo vedado.
Ralos no chão: Verificar os ralos, inclusive sob a pia e tampá-los com plástico, caso não sejam do tipo abre e fecha.
Bandeja externa de geladeira: Verificar se há acúmulo de água, limpar e manter seca.
Filtros de água e outros recipientes com água: Verificar os filtros de água mineral, eliminar a água acumulada no suporte para o copo e manter o recipiente seco. As talhas de água e moringas devem ser mantidas tampadas. Os bebedouros de animais devem ser higienizados com bucha e sabão, uma vez por semana.
Vazamentos: Verificar a presença de vazamentos junto a qualquer fonte de água e eliminá-los.
 
Quintal:
Garrafas: Eliminar a água e mantê-las emborcadas. Se forem descartáveis, colocar para coleta.
Calhas e lajes: Caso não seja possível verificar se acumulam água, procurar identificar sinais de umidade. Em caso afirmativo, providenciar a resolução do problema.
Vasos de Plantas: Verificar a presença de vasos, pratos sob o vaso, pingadeiras etc., com ou em condições de acumular água. Eliminar os pratos ou pingadeiras.
Caixas d’água: Verificar a condição das tampas. Solicitar a reposição daquelas ausentes ou quebradas. Evitar tampas improvisadas (telhas de amianto, tábuas, etc.). Estas devem ser removidas e substituídas por tampa própria ou tela para vedação.
Fontes ornamentais, piscinas: Verificar a presença de organismos vivos dentro da água. Podem ser larvas de mosquitos. Solicitar a visita do controle de vetores municipal.
Recipiente Natural (ocos de árvores, oco de bambu, bromélias e outros): Providenciar a eliminação de água acumulada. No caso de bromélias usar mangueira com esguicho uma vez por semana.
Outros tipos de recipientes: Verificar a presença de latas, potes, restos de construção ou de pintura. Eliminar a água acumulada e colocá-los para a coleta pública ou providenciar sua remoção.
 
 

Em caso de dúvidas entrar em contato com a Vigilância Ambiental em Saúde através do telefone (14) 3811-1609 ou WhatsApp (14) 98177-1905.

Seta
Versão do Sistema: 3.4.0 - 05/02/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia