Ir para o conteúdo

Prefeitura de Botucatu - SP e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura de Botucatu - SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Youtube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
SET
04
04 SET 2023
CULTURA
385 visualizações
Mostra “Vídeo substantivo feminino”, com trabalhos de artistas contemporâneos
enviar para um amigo
receba notícias
Paço das Artes e SISEM-SP trazem exposição sobre videoarte a Botucatu. A abertura da Mostra “Vídeo substantivo feminino”, que apresenta trabalhos de artistas contemporâneos, será no dia 06 de setembro.

O Paço das Artes, em parceria com o Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) – instituições da Secretaria de Cultura, Economia e Indústria Criativas do Governo do Estado de São Paulo –, levam para a cidade de Botucatu/SP a exposição Vídeo substantivo feminino, a partir do dia 6 de setembro. No total, a mostra conta com 12 trabalhos de videoarte que dialogam com o universo feminino. Os artistas participantes são: Ana Paula Mathias, biarritzzz, Bareira Y (Gisela Motta, Isabella Guimarães e Mariana Lacerda), Estela Lapponi, a dupla Lucila Meirelles e Augusto Calçada, Luiz Roque, Marcia Beatriz Granero, Kika Nicolela e Simone Michelin. 

A abertura, no dia 6, às 15h, contará também com sessão de exibição das obras e conversa com a curadora Márcia Beatriz Granero, que irá abordar a pesquisa da curadoria, a linguagem audiovisual na arte contemporânea e as obras dos artistas selecionados para a exposição.

A mostra permanece em cartaz na Pinacoteca Fórum das Artes de Botucatu até 30 de setembro, com entrada gratuita. Já exibições de filmes acontecem todas as quartas, às 15h e aos sábados às 19h30 (exceto no sábado, dia 23/09). As sessões têm 48 min e duração e são compostas pelas seguintes videoartes: 

Magik Magnetik – Tu Silẹ | Ana Paula Mathias (França/Munique, 2019, 3’35”) - Tu Silẹ significa liberação em iorubá (tradicional cultura de origem nigeriana, na África Ocidental). Para a artista, as vozes habitam uma ecologia imersa em muitas coisas que não se expressam pela fala, mas sim pela imagem-movimento, pela memória e pela transtemporalidade dos corpos e paisagens sonoras em diálogo com nossa subjetividade e ancestralidade. Filmado no âmbito da residência artística PlusAfroT, em Feldafing, na Alemanha (2019), este vídeo é uma composição poética inerente ao contexto e à percepção da artista de sentir e interpretar o mistério presente no encontro – ou na radiação espectral – com as artistas Lenna Bahule e Malu Avelar.   

O sopro dos Xapiri – Xapiri pë në mari | Barreira Y (Gisela Motta, Isabella Guimarães e Mariana Lacerda) (Brasil, 2021, 8’) - Registro de animação em três canais projetada no Palácio do Congresso Nacional. Era noite em Brasília, quando os Xapiri ocuparam o conjunto arquitetônico modernista do Palácio do Congresso Nacional, transfigurado em terra-floresta. O valor de um sonho, induzido pela visita dos espíritos da terra-floresta que levam à imagem dos xamãs, é xapiri pë në mari, na língua ianomâmi. O xamã contou: “quando estou dormindo, estou sonhando, olhando, cantando, movimentando. Tudo isso é sonho, xapiri pë në mari”. 

B.I.A. – EX@ feat. Mun Há e Deize Tigrona | biarritzzz (Recife, 2020, 3’24”) - Neste clipe e música, biarritzzz, assinando como B.I.A. – junto a Mun Há, cantora não binária de ritmos eletrônicos do Nordeste, e Deize Tigrona, pioneira do funk proibidão carioca – parodia a música “XXXO”, de M.I.A. (2010). A artista faz uma releitura da letra e clipe que discutem pornografia on-line e, em sua visão, masculinidade tóxica, numa versão atual que coloca em jogo, assim como na original, estética de internet e sexualidade, porém, desta vez, abordando a complexidade das questões de gênero na segunda década do século 21. 

Seliberation #2 | Estela Lapponi (São Paulo/Botucatu, 2021, 5’54”) - Seliberation – libertar-se + celeberation = versão indiana do inglês celebration
Encaro o cânone das proporções.  
Me canso do cânone das proporções.  
Insisto no cânone das proporções.  
Me canso do cânone das proporções.  
Risco o cânone das proporções.  
Antropofagio o cânone das proporções.  
I seliberate you.  
You seliberate me.  
We seliberate us!! 

Cake d’amour | Kika Nicolela  (Bélgica/França/Canadá, 2017, 3’) - Nesta videoarte, uma mulher canta – e encarna – a receita de um bolo de amor. A música é retirada do filme cult francês Pele de asno (Peau d’âne), de Jacques Demy. A performance é da atriz franco-canadense Marie-Pier Labrecque.

Noutras | Lucila Meirelles e Augusto Calçada (São Paulo, 2017, 9’30”) - Videoarte inspirada na obra da carioca Ana Cristina César (1952-1983), que se destacou na década de 1970 por sua poesia intimista e coloquial. Noutras segue o percurso dos poemas de Ana C.: sempre na primeira pessoa do singular, em um diálogo com a própria experiência de vida. Podem ser vistos fragmentos de seus diários, cartas fictícias, textos em prosa, poemas líricos, num permanente jogo de velar, desvelar e revelar a autora, através de uma polifonia de vozes e imagens desdobráveis.

S | Luiz Roque (São Paulo, 2017, 5’) - Videoarte baseada em Rumo a uma redistribuição desobediente de gênero e anticolonial da violência!, de Jota Mombaça. 

Revelación | Márcia Beatriz Granero (Madri/São Paulo, 2017-21, 4’) - Jaque Jolene é a identidade artística de Márcia Beatriz há mais de dez anos. Elas são brasileiras e, em Revelación, foi a primeira vez delas em outra cultura. Desde então, ela vem criando trabalhos inspirados em ícones femininos mundiais para cada nova experiência. Jaque Jolene, essa “figura indefinida”, em suas incursões na cidade, através de espaços públicos, mostra como Márcia Beatriz mantém o controle sobre sua existência, sobre sua aparência, e, às vezes, é Jaque Jolene que luta para acabar com a identidade de sua autora. 

Caiçara vermelha | Simone Michelin (São Paulo, 2022, 5’34”) - O vídeo refere-se à cultura caiçara, originada no encontro do homem branco com o nativo brasileiro. Mostra uma visita guiada, por uma câmera subjetiva, em território onírico. Começa dentro de uma casa caiçara, segue por um curral e termina em uma zona de guerra que gira em torno de uma sumaúma queimada. Traz citações de Davi Kopenawa, Ailton Krenak, Bertold Brecht, Jean-Paul Sartre, ditados populares, expressões cotidianas e frases clichês de roteiros televisivos de entretenimento. 


Sobre a curadora - Marcia Beatriz Granero é formada em artes visuais pela Belas Artes de São Paulo, videoartista, diretora, produtora e idealizadora do programa VideoArtePapo do Museu da Imagem e do Som (MIS) de São Paulo. Seu trabalho autoral como artista visual é desenvolvido com Jaque Jolene, personagem criada e performada pela artista. Suas videoinstalações foram apresentadas em diversos espaços no Brasil e mundo afora como Londres, na exposição individual Pining for Pearls (2019), e na exposição Tabaroa, na Galeria Santa Clara em Portugal (2018).


Informações para a imprensa
imprensa@mis-sp.org.br | (11) 2117 4777, r 313

Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo
Assessoria de Imprensa

(11) 3339-8116 / (11) 3339-8162
​(11) 98849-5303 (plantão) imprensaculturasp@sp.gov.br


SERVIÇO
Mostra “Vídeo substantivo feminino”
Abertura:
 06 de setembro, às 15h 
Visitação: até 30 de setembro
Exibições de filmes:
- quartas, às 15h
- sábados, às 19h30 (exceto no sábado, 23/09)
Sessões de 48 min de duração
Local: Pinacoteca Fórum das Artes 
- Rua General Teles, 1040 - Centro
Contatos: (14) 3811-1470 ou forumdasartes@botucatu.sp.gov.br
ENTRADA GRATUITA

Seta
Versão do Sistema: 3.4.0 - 05/02/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia