São Francisco de Assis

Patrono da Ecologia

Oração da paz

Senhor! Fazei de mim um instrumento da vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor.
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver dúvidas, que eu leve a fé.
Onde houver erro, que eu leve a verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, fazei que eu procure mais:
consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe.
É perdoando que se é perdoado.
E é morrendo que se vive para a vida eterna.

 

Da Pedagogia do Cuidado, nossa Metodologia:
A Sensibilização Ambiental

A Escola do Meio Ambiente (EMA), pertencente à Secretaria Municipal de Educação de Botucatu, foi inaugurada no dia 12 de abril de 2005.
Em 2009 a escola recebeu o selo Aqui se Brinca, da Unilever e, em 2010 recebeu a certificação de escola associada à UNESCO.

A partir de sua própria realidade desenvolveu uma metodologia que tem como inspiração a simplicidade da natureza, a qual se encontra dissolvida nos pilares da escola (caminhos ecopedagógicos, vivências socioambientais e pesquisas). Konrad Lorenze, prêmio Nobel de Medicina de 1973, disse que é na sensibilização dos sentidos que o pensamento começa. Ele advertiu que as esperanças da humanidade repousam em uma educação que deve ter a natureza como mestra. A Escola do Meio Ambiente tem buscado, através da utilização de uma metodologia específica, sensibilizar para a percepção da natureza que a constitui, com suas particularidades, biodiversidade, simplicidade e tudo o que ela pode nos ensinar. Embora respaldados pela ciência, através das pesquisas realizadas na área da escola, nosso objetivo não é o de transmitir conteúdos na área de Ciências Biológicas ou de qualquer outra disciplina específica, mas o de apresentar a nossa interdependência com a natureza. Para isso nos fundamentamos na ética de que não somos os únicos seres vivos do planeta, no resgate de valores, na transdiciplinaridade e na afetividade com a natureza. Pretendemos conquistar, através de singelas vivências, um vínculo amoroso entre nossos visitantes e a Escola do Meio Ambiente.

Deve ser lembrado que ninguém será capaz de amar o que não conhece e ninguém será capaz de preservar uma natureza com a qual não convive. Assim, na EMA, tudo tem sido preparado com muito carinho e responsabilidade para que esse vínculo possa ser estabelecido. E o que queremos com o nosso trabalho? Que todos que por aqui passarem compreendam o valor de se educar para a vida, pela paz e pela solidariedade planetária. Afinal, o método empregada pela Escola do Meio Ambiente é o de mostrar que, infinito é o valor da VIDA!

 

 

Floresta Municipal Irmãos Villas Bôas

"Nós trouxemos a notícia de que eles (os índios) constituem uma sociedade tranquila, alegre. Ali, ninguém manda em ninguém. O velho é dono da história; o índio, dono da aldeia e a criança, dona do mundo"

Orlando Villas Bôas


No dia 16 de setembro, através do Projeto de Lei nº 073/2011 (aprovado pela Câmara Municipal de Botucatu no dia 09 de setembro de 2011), a Escola do Meio Ambiente denominou como "Floresta Municipal Irmãos Villas Bôas" a área de Floresta Estacional Semidecidual de pouco mais de 8 hectares onde se localiza a escola.

O evento contou com a participação da Srª Marina Villas Bôas, viúva de Orlando Villas Bôas, e de seus filhos Orlando Villas Bôas Filho e, Noel Villas Bôas. A cerimônia contou com a presença de outros familiares dos indigenístas. Estavam presentes ainda a Embaixadora das Florestas no Brasil, Chris Flores, representantes da Unesco, o prefeito municipal de Botucatu, João Cury Neto, e o Secretário Municipal de Educação, Narcizo Minetto Júnior, entre outras autoridades municipais.

A nomeação da Floresta como "Irmãos Villas Bôas" é uma iniciativa da EMA em prol ao Ano Internacional das Florestas e uma homenagem aos Irmãos Leonardo, Orlando e Cláudio Villas Bôas, indigenístas e preservacionistas que desbravaram o Brasil central através da "Expedição Roncador-Xingú" em 1943.

 

Represa Prof. Jorge Jim

Abastecida com as águas do Ribeirão Lavapés, a Represa Prof. Jorge Jim recebeu oficialmente esta denominação através da lei municipal Nº 5.356, de 17 de abril de 2012.
O Prof. Jorge Jim foi docente do Departamento de Zoologia da Unesp/Botucatu. Pesquisou os anfíbios anuros nos remanescentes de matas e entorno na região de Botucatu. Foi coordenador e incentivador das pesquisas de fauna na área da Escola do Meio Ambiente, trabalhando principalmente com anfíbios. Orientou estagiários de graduação e pós-graduação em pesquisas na área da referida escola.
Sempre acreditou ser a Escola do Meio Ambiente a grande responsável pela preservação das nascentes e da represa com águas do Ribeirão Lavapés, bem como dos remanescentes de floresta e cerrado encontrados nesta área.
Faleceu em 2011 deixando uma lacuna na área de pesquisa não só de Botucatu, mas do planeta como um todo, uma vez que tudo está interligado e, portanto, interdependente.

 

Bosque Educativo Frei Afonso

Através da Lei nº 5.432 de 27 de novembro de 2012, a Escola do Meio Ambiente nomeou uma área reflorestada com essências nativas de “Bosque Frei Afonso”. As mudas plantadas no local foram patrocinadas pela SABESP. O fechamento da área foi feito com mudas de amora. A aquisição das mesmas se deu graças ao patrocínio da DURATEX, através do projeto: Floresta Com Vida.
Frei Afonso (Heriberto José Lorenzon) nasceu em Traviú, então bairro do município de Jundiaí, aos 20 de janeiro de 1923. Vestiu o hábito franciscano capuchinho, iniciando o noviciado no convento Santa Clara, Taubaté, em 1941. 
Dotado de muitas virtudes, Frei Afonso cultivou de modo especial a sinceridade. Sempre dedicou muita atenção e carinho aos jovens que o procuravam para discernimento de sua vocação. Conhecia a Escola do Meio Ambiente e apreciava o local. Benzeu o Oratório de São Francisco que se encontra na entrada da escola.

Em sua última transferência, em janeiro de 1999, veio para Botucatu e foi designado para atendimento pastoral, onde permaneceu até o falecimento no dia 16 de outubro de 2009.

 

Sobre o trabalho desenvolvido pela

Escola do Meio Ambiente

“Um dos grandes desafios deste século é a construção de uma sociedade socialmente justa, em perfeita harmonia com um ambiente saudável.
Em Botucatu, temos procurado fazer a lição de casa, priorizando os investimentos na melhoria da condição de vida das pessoas e desenvolvendo ações voltadas à preservação e educação ambiental. E os avanços que temos comemorado só foram possíveis por contarmos com espaços como a Escola do Meio Ambiente (EMA), uma de nossas jóias. Um local que todo botucatuense deveria conhecer. Um espaço de valorização da natureza, que nos enche de orgulho”.

João Cury Neto
Prefeito Municipal de Botucatu

Gestão 2009-2016